11/07/2017 às 14:33
Reitora da UERGS, Arisa da Luz, fala sobre os 16 anos da Universidade
Reitora da UERGS, Arisa da Luz, fala sobre os 16 anos da Universidade
A visita de Arisa Araújo da Luz ao jornal, acompanhada do chefe da Unidade da UERGS local, Sebastião Braz - Crédito da foto: Antônio Carlos Hengen/AN

A UERGS – Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, comemorou segunda-feira, dia 10, o 16º aniversário. Com 24 unidades instaladas no Estado, tem sete diretores regionais. A região 4 é formada por 46 municípios atendidos pelas Unidades de São Luiz Gonzaga e Três Passos. É a maior rede de ensino superior do Estado, tendo em atividade 48 cursos, 5.102 alunos, 258 professores e 195 servidores. Para manter essa estrutura, o Estado repassa à Universidade, R$ 75 milhões anualmente.
A reitora da UERGS, Arisa Araújo da Luz, visitou A NOTICIA segunda-feira, acompanhada do chefe da Unidade desta cidade, Sebastião Braz. Nesse mesmo dia, visitou órgãos de imprensa da cidade e ocupou a tribuna popular na Câmara de Vereadores, com a finalidade de tornar público o aniversário da Universidade Estadual e informar sobre sua realidade. Com orçamento escasso, a expansão da UERGS fica limitada às disponibilidades financeiras repassadas pelo Governo do Estado. Um exemplo das dificuldades existentes, está no valor transferido à UERGS, sempre o mesmo, nos últimos anos.
Arisa reivindica autorização para reposição automática de professores que deixam a Universidade. Essa condição é rotina em outros estabelecimentos, mas não é concedida à UERGS, revelou a reitora. A reposição de professores não aumenta a despesa, todavia, o Governo do Estado autorizou a contratação de substitutos de professores que estão em licença, aposentados ou pediram demissão. Mas a substituição continua sem autorização automática, a cada necessidade, será necessário pedir autorização, o que significa atraso no cumprimento dos anos letivos, até que outro professor assuma quem deixa a cátedra. Arisa da Luz declarou que a expansão da Universidade depende da contratação de mais professores, passando dos atuais 258 para 400, no mínimo, mas o ideal seriam 600. Quanto aos servidores, é necessário passar dos atuais 195 para 250, no mínimo, sendo o ideal 400.
A reitora destacou que a UERGS sempre precisa lutar muito para conseguir o mínimo necessário para o seu funcionamento. Essa situação está presente em toda a sua história de 16 anos, chegando a ser comparada como “filho indesejado”. Mas essa condição não desanima sua direção, professores, servidores e alunos. Todos são movidos pela convicção de que a UERGS preencheu espaço que estava aberto, especialmente de oferecer gratuidade no ensino superior em regiões que não são cobertas por universidades federais. Por outro lado, é a única universidade que garante 50% das vagas para alunos hipossuficientes (sem condições econômicas).
SEDE PRÓPRIA – A construção da sede própria da Unidade da UERGS em São Luiz Gonzaga, já tem projeto de engenharia e para iniciar a obra, terá disponível R$ 1 milhão, através de duas emendas parlamentares de R$ 500 mil cada uma, do senador Lasier Martins (ex-PDT e atualmente do PSD) e do deputado federal Afonso Motta (PDT). Arisa acredita que as obras serão iniciadas no próximo ano, possivelmente a partir de janeiro.
CURSOS MANTIDOS EM SÃO LUIZ GONZAGA – Agronomia, Tecnologia em Agropecuária Integrada, Ciência e Tecnologia de Alimentos, Pedagogia – Licenciatura, Especialização em Segurança Alimentar e Agroecologia. A UERGS está instalada junto a Escola Estadual Cruzeiro do Sul.
 

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais notícias em Educação