07/12/2017 às 15:33
Criada Agência de Desenvolvimento em São Luiz Gonzaga
Criada Agência de Desenvolvimento em São Luiz Gonzaga
Cristina Moraes Neves Anes, presidente da ACI, fez a apresentação do projeto da Agência Crédito das fotos - José Grisolia Filho/AN

A comunidade de São Luiz Gonzaga decidiu criar uma Agência de Desenvolvimento para administrar o Plano Estratégico do Município. Essa definição ocorreu em reunião realizada terça-feira, no salão de atos da ACI, presentes mais de 50 líderes da cidade, representando o Poder Público Municipal, entidades, associações, órgãos públicos, imprensa local e empresários.
O Plano Estratégico compreende o estudo permanente por grupos de trabalho, focado em áreas definidas por atividades que tenham semelhanças e afinidades entre si. Esses grupos de trabalho devem se reunir periodicamente para solicitar estudos técnicos em torno de oportunidades em suas áreas de estudo, para instalação de serviços, empresas urbanas e rurais, que poderão ser repassados a empresas já existentes no País, visando a instalação aqui, de filiais e/ou postos avançados. Também devem realizar estudos, a pedido de empresas e investidores interessados, que indiquem as condições do mercado nesta região, para instalação de negócios nas atividades que solicitam. Nesse sentido, a Agência de Desenvolvimento deve oferecer estudo detalhado, revelando todas as condições existentes e apontando como melhor aproveitar as condições levantadas pela pesquisa.
Para isso, como explicou a presidente da ACI, Cristina Moraes Neves Anes, na condição de integrante do grupo de criação do modelo de Agência de Desenvolvimento, terá sua estrutura permanente instalada em local cedido pela Prefeitura e liderada por técnico de reconhecida capacidade para coordenar os serviços dos grupos de trabalho, formados por voluntários da cidade. Sempre que for preciso, a Agência poderá contratar técnicos nas áreas em estudo, para verificar o potencial do mercado, definidos em contrato.
Nesse sentido, a Agência de Desenvolvimento criada por São Luiz Gonzaga, se mantido ao pé da letra o modelo eleito, será pioneira em municípios, em seus fundamentos e finalidades, porque vai provocar empresários, oferecendo estudos completos em torno de oportunidades nesta ou naquela área, no campo ou na cidade, bem como atender pedidos de informações sobre condições locais para alguma atividade. E, ainda, firmar parcerias com outros órgãos, para investigar em torno de oportunidades e modelos de gestão.
Para isso, a Agência de Desenvolvimento terá que anualmente reavaliar sua estrutura e estudos básicos, a fim de fazer a composição de levantamentos específicos. Da mesma forma, o Plano Estratégico do Município deve ter seus números atualizados, para que os estudos tenham a garantia da realidade. Isso implica também em acompanhamento da evolução tecnológica, marcada por grandes criações que facilitam a concretização de projetos, reduzindo custos, aumentando os resultados e colocando produtos ao alcance do público a preços mais baratos. É um projeto arrojado, mas viável, nos municípios que anseiam o desenvolvimento, disse Cristina Moraes Neves Anes, ao fazer a apresentação do projeto da Agência de Desenvolvimento, cujo nome será resumido para apenas uma palavra, “Desenvolve”.
VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA – Para fazer a renda da Agência de Desenvolvimento, o modelo é o usado nos clubes sociais, cuja sustentação financeira tem origem no quadro de associados fazendo contribuição mensal. No caso da “Desenvolve”, o sócio Pessoa Física paga mensalmente R$ 30,00; o mesmo valor será atribuído a Micro Empresas; as EPPs pagarão R$ 50,00 e as demais empresas, R$ 100,00 mensais. Com recursos próprios, poderá ser montada a estrutura permanente da Agência de Desenvolvimento com apenas um técnico fixo, sendo as despesas da sala, água, luz, telefone e internet, pagos pela Prefeitura. Ao final da reunião, vários dos presentes já assumiram a condição de sócios da “Desenvolve”. O prefeito Sidney Brondani apoiou com entusiasmo o projeto de criação da Agência de Desenvolvimento, sendo o primeiro a anunciar a sua condição de associado Pessoa Física.
APOIOS – Fizeram uso da palavra, apoiando a criação da Agência de Desenvolvimento, Carlos Eduardo Ruschel Anes, professor universitário na UFFS; Paulo Corrêa de Matos, chefe do Escritório Municipal da Emater e presidente do Comude; Eugênio Portela, coordenador do curso de Agronomia da Uergs, e a vereadora Maria de Lourdes Matzenbacker (PP). O jornalista José Grisolia Filho também fez uso da palavra, fazendo um retrospecto em torno dos vários movimentos que tivemos aqui, nos últimos 50 anos, com o objetivo de pleitear o desenvolvimento local e microrregional. Foram iniciativas que não tiveram continuidade, porque não conseguiram empolgar a população. O jornalista acha que desta vez, a criação da Agência de Desenvolvimento está sendo criada em ambiente de muita credibilidade e vontade férrea de torná-la uma ação forte e duradoura.

 

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais notícias em Geral