11/01/2019 às 14:59
Com o apoio do SEG, Centro de Saúde promove intensificação de testes rápidos para detecção das hepatites B e C

Mobilização ocorrerá no dia 16 de janeiro, nas dependências da unidade de saúde

Visando o combate a hepatite e a conscientização da comunidade quanto a doença, o Centro de Saúde promoverá no dia 16 de janeiro, o segundo dia de intensificação de testes rápidos, desta vez focado na detecção precoce das hepatites B e C. A mobilização é realizada com o apoio da Escola Técnica José Gomes (SEG) e ocorre na unidade de saúde, das 8 horas até o meio-dia.

 

A coordenadora do Centro de Saúde, Patrícia Bressan, informa que o tratamento das hepatites B e C é feito com agentes antivirais, com índices elevados de sucesso na cura das doenças quando detectadas precocemente. “O nosso município está engajado em ampliar a oferta de testagem rápida à população. Todas as unidades de ESF e o Centro de Saúde possuem testes rápidos à disposição da comunidade, bastando o usuário se dirigir a unidade de saúde correspondente portando o cartão do SUS e manifestar o desejo de realizar o teste, com o resultado informado em poucos minutos. No dia 16, além do teste, os estagiários do SEG e a equipe do Centro de Saúde também estarão realizando orientações preventivas. Este tipo de ação é muito importante para o diagnóstico precoce e a prevenção da doença”, afirma.
 
 
A Hepatite é uma inflamação no fígado, podendo ser não transmissível (de origem alcoólica, medicamentosa ou autoimune) ou viral, que ocorre mais comumente. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2017, o Brasil registrou 40.198 novos casos de todos os tipos de hepatites virais (A, B, C, D ou E). Segundo a Organização Mundial da Saúde, 1.750.000 mortes no planeta foram provocadas por complicações dos diferentes tipos de hepatites. A maioria desses óbitos decorreu de cirrose ou câncer de fígado, uma vez que os vírus da hepatite podem ocasionar tumores.
 
 
A transmissão da Hepatite B ocorre por contato com sangue e hemoderivados infectados. É transmitida principalmente pelo contato sexual e da mãe infectada para o recém-nascido (durante o parto ou no período perinatal). Já a Hepatite C possui como forma mais comum de transmissão a via parenteral, com risco maior para indivíduos que receberam transfusão de sangue e/ou hemoderivados antes de 1993, usuários de drogas intravenosas e pessoas que apresentam formas de exposição percutânea. 
 
 
A Hepatite B pode ser prevenida através da vacinação, com o esquema completo de três doses. Para a Hepatite C, não há vacina. Também é indicado o uso de preservativos em todas as relações sexuais e atenção ao frequentar manicures, tatuadores ou realizar qualquer procedimento evasivo, se certificando que os materiais utilizados sejam adequadamente esterilizados. (Larissa Dorneles / AI Prefeitura de São Luiz Gonzaga com informações do Centro de Saúde)

 
 
 

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais notícias em Geral