02/01/2018 às 15:43
Polícia

Na virada de ano, briga generalizada na Praça da Matriz

O ano de 2018 foi recebido na Praça da Matriz em clima de muita festa e alegria pelos jovens que se instalaram na quadra da Rua São João, frontal com o Clube Harmonia e o Cine Lux, e também junto a Igreja Matriz, na Rua Venâncio Aires, esquina com a Rua São João. O ideal seria se o clima fosse apenas de confraternização, mas não foi isso que aconteceu. Surgiram várias brigas, agressões, garrafas sendo jogadas de forma irresponsável e que atingiram várias pessoas, lotando o plantão médico do Hospital.
Outro ponto de reunião foi em frente a Igreja Matriz. Muitos jovens sentaram nos degraus que dão acesso à Igreja e ao Salão Paroquial, onde brindaram o Ano-Novo com espumantes e cálices que levaram de casa e que depois foram quebrados. As brigas ocorreram também ali, o que explica como o local amanheceu, com garrafas, copos e cálices quebrados e sujeira espalhada ao redor, situação que perdurou durante toda a segunda-feira.
Na quadra da Rua São João, em frente ao Cine Lux e Clube Harmonia, os foliões permaneceram em comemoração pela virada de ano até às 11 horas da manhã. Em torno de 100 jovens integravam o grupo que permaneceu na Praça até quase o final da manhã de 1º de janeiro.
Mas o fato positivo a destacar, depois de brigas e vários jovens necessitando de atendimento médico no Hospital, foi a limpeza da quadra da Rua São João, por um reduzido número de jovens que, munidos de vassouras, fizeram a limpeza daquela via, ensacando o lixo em vários sacos de plástico preto. A quadra ficou rigorosamente limpa. Esse mesmo cuidado não foi notado em frente a Igreja Matriz, onde a desordem ficou ao alcance dos olhares da população durante toda a segunda-feira. Da diversão à violência, a distância era apenas um passo. Com essa frase se explica como iniciou a confusão.

Tumulto, tensão e medo no plantão do
Hospital, com confronto entre grupos rivais

A virada de ano repercutiu no plantão médico do Hospital São Luiz Gonzaga. Grupos rivais que supostamente se enfrentaram na Praça da Matriz, buscaram novo confronto dentro do ambulatório do Hospital. Tudo começou quando uma pessoa necessitando atendimento para costurar um corte, deu entrada no plantão. Ainda na frente do Hospital se iniciou a possibilidade do que pareceu se caracterizar como uma desforra e quase se tornou incontornável dentro do salão, onde os pacientes aguardam o atendimento médico. Houve grande bate-boca, que colocou os funcionários em estado de tensão e pânico, mas felizmente, as divergências não passaram disso. Uma funcionária que trabalha no plantão há 10 anos, disse que nunca tinha passado por situação como a que ocorreu na madrugada de 1º de janeiro. Para conter os ânimos, foi preciso chamar a Brigada Militar, que colocou soldados no local, presença que acalmou os ânimos exaltados. O plantão esteve a cargo da médica Marina Lengert. Ela fez o atendimento a todos que necessitavam de procedimentos médicos.

 

Plinio Ivar da Rosa declarou que a Brigada Militar
tem efetivo de pessoal abaixo de suas necessidades

Ainda declarou que as brigas na Praça da Matriz revelam que o projeto do vereador José Luiz Terra Vieira (PT), coibindo o consumo de bebidas alcoolicas em locais públicos, deve ser acolhido pelas autoridades do município.

Em visita ao jornal, ontem de manhã, o arquiteto Plinio Ivar da Rosa, declarou que o triste histórico da comemoração da virada de ano na Praça da Matriz, revela que o projeto apresentado pelo vereador José Luiz Terra Vieira (PT), propondo limites no consumo de bebidas alcoolicas em locais públicos é oportuno e deve ser examinado pelas autoridades do município. Plinio Ivar da Rosa, que é oficial da reserva da Brigada Militar, disse que a BM tem hoje um efetivo de 13 mil soldados. Ainda informou, que na década de 1970, quando o Rio Grande do Sul tinha uma população de 5 milhões de habitantes, a BM projetava a manutenção de um efetivo de 30 mil soldados. Hoje, com 11 milhões de habitantes, a BM, segundo Plinio Ivar da Rosa, deveria ter um efetivo de 60 mil soldados.


 

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais notícias em Polícia